Notícias

Empresas vidreiras apostam no comércio online

O crescimento do e-commerce (abreviatura em inglês para o termo “comércio eletrônico”) no Brasil é constante e vem conquistando a cada dia mais empresas e consumidores.
Segundo reportagem da revista Exame, de abril de 2014, a receita de varejistas eletrônicos que atuam no setor quase triplicou desde 2009, passando de R$ 11 bilhões para R$ 29 bilhões. A demanda também estimula esse crescimento: estima-se que 50 milhões de brasileiros já fizeram compras online.
Algumas empresas vidreiras estão apostando no crescimento dessa plataforma. A Cebrace foi a primeira empresa do setor a entrar no mundo digital das vendas e utiliza o e-commerce desde 1995.
“Tivemos muitos desafios, principalmente culturais, e limitações, graças à estrutura da Internet na época, ainda um assunto novo em diversos aspectos”, disse Marcos Peloggia, gerente de Tecnologia da Informação (TI) da empresa.
Para superar as dificuldades e viabilizar o uso de um sistema on line, a Cebrace realizou diversas ações junto a clientes e incentivou a aquisição de computadores.
Atualmente, a versão da loja virtual está totalmente integrada ao sistema interno da empresa, sendo quase 100% das vendas realizadas online.
A processadora LM Vidros utiliza do canal desde 2005 e conseguiu aumentar as vendas com um diferencial. Os clientes que compram via web recebem descontos exclusivos e os pedidos são liberados mais rapidamente dos que os feito por e-mail ou fax.
Já a Divinal Vidros disponibiliza o serviço desde 2011. “Com o sistema, levamos tecnologia diretamente dentro das empresas, facilitando e simplificando seus processos. O comércio eletrônico entre empresas pode ajudar ainda na incessante busca por redução de custos, aumento da competitividade e diferenciação em um mercado saturado”, afirma o gerente de Projetos Leandro Gonçalves.
O consumidor final, que apenas deseja instalar um boxe, comprar janelas ou portas também pode comprar esses e outros itens pelo método online direto de vidraçarias.
A Online Vidros, distribuidora autorizada da marca Blindex, em Cuiabá, atua na Internet há dois anos e seu site concentra 70% das vendas. “Tempo hoje é essencial e, por meio da Internet, temos contato com o cliente onde ele estiver. É um investimento que dá retorno.”, explica Jaqueline Martins, proprietária da empresa.
Venda tradicional
Outras empresas do setor, como a AGC e a Vivix ainda não aderiram ao mundo digital e têm no telefone sua principal forma de venda. Para Cátia Candia, coordenadora do Centro de Atendimento ao Cliente da AGC, o contato direto com o cliente é valorizado. “Optamos por um atendimento mais humanizado”, afirma.
A União Brasileira de Vidros, Guardian e Saint-Gobain também não possuem comércio eletrônico dando preferência também ao relacionamento direto e pessoal com o cliente.
Como fazer
Empresas interessadas em montar a estrutura para realizar vendas online podem procurar  o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), através do Primeiro e-commerce ou a Associação Paulista das Agências Digitais, por meio do Guia de e-commerce Apadi

Fonte: Revista O Vidroplano/ abril 2014